3ª Palestra Ternet

Hoje, o projeto Ternet chega a sua 3ª edição. Ele já  levou à faculdade profissionais  que derm uma  palestras sobre Conteúdo na Web e Planejamento. O Assunto desta terça é  Design para Web que vai ficar por conta da dupla Renato Carvalho – [Sócio-diretor e Designer de Interface Web da Código Digital] e Adriano Macedo [ um dos pioneiros no Webdesign cearense e Sócio-direitor e Designer da Digital Design] . Todas as palestras sâo GRÁTIS e abertas ao público.

A Católica do Ceará fica na Av Duque de Caixias  e a palestra vai ser na Sala Audiovisual A,

Publicidade e novas mídias

Artigo retirado do Jornal O POVO de hoje.
Super interessante mas não é a realidade cearense não é mesmo?
_
Você acorda às seis da manhã com um toque de mensagem do seu celular anunciando a nova promoção daquela loja em que fez sua última compra. Depois, segue para o trabalho e, enquanto sobe no elevador, assiste aos comerciais veiculados na telinha aí localizada. Para sua surpresa, quando você se dirige ao toilet do prédio, encontra, no local, cartazes sobre o lançamento de um novo xampu para o verão. Por fim, enquanto você está parado naquele congestinamento típico, na volta para casa, observa a propaganda de um novo carro na traseira do ônibus.

Não é difícil perceber que a publicidade está se firmando em espaços que vão além das mídias tradicionais, como televisão, rádio, jornal e revista. As agências de propaganda investem em ousadia e criatividade para atingir seu público-alvo e trazer bons retornos para os anunciantes.

A “La Firma”, agência que existe há oito meses, é um exemplo. Sua especialidade é o marketing de guerrilha e o marketing viral. Segundo o publicitário Ricardo Alves, que é redator da agência, ações nesse sentido visam “envolver 100% da atenção do público”. Um exemplo recente foi o “Salão da Aprovação”, que consistiu num espaço montado no local de prova para divulgar a marca de um curso pré-vestibular e chamou bastante a atenção dos estudantes.

Mas as mídias alternativas ou novas mídias têm força para sustentar, sozinhas, uma campanha? Na opinião de Alves, estas só funcionam dentro de uma comunicação integrada, que tenha como suporte as mídias convencionais. “Aqui no Ceará, o uso de mídias alternativas para se fazer publicidade ainda está caminhando. Por parte dos clientes, ainda há resistência. O mercado é um pouco conservador”, avalia o publicitário.

Esta visão é compartilhada pelo publicitário W. Gabriel de Oliveira, gerente de Comunicação Integrada e Marketing da NOIX, empresa especializada em desenvolver portais. “A resistência se deve à dificuldade de visualizar os retornos e de se comparar os custos com mídias tradicionais. Mas que começar a fazer esse tipo de comunicação com força, com certeza, vai se destacar”, aposta.

Propaganda via web
Que a Internet oferece um mundo de possibilidades para se divulgar uma marca, isso ninguém duvida. Por ser uma cross-media, as estratégias de comunicação ultrapassaram as fronteiras dos banners e pop-ups para se estender a advergames (publicidade em jogos), e-mails marketing, vídeos, mensagens em sites de relacionamento, entre outros.

Segundo dados do Projeto Intermeios, do grupo Meio & Mensagem, a participação da Internet em publicidade cresceu em relação a 2007. Os dados acumulados até outubro deste ano demonstram que houve faturamento bruto acima de R$ 596 milhões, um aumento de quase 47% em comparação ao ano passado. Os valores acumulados se perdem quando comparados à “mídia-mãe” (televisão), cujo faturamento foi acima de R$ 10 bilhões. Porém, a expectativa é que a participação do espaço virtual cresça a cada ano.

Para o publicitário W. Gabriel de Oliveira, o grande diferencial da Internet em relação às outras mídias é a possibilidade de mensurar os resultados “na hora”, pelo número de acessos a determinado endereço. “A Internet não se resume a site. Existe, por exemplo, o e-mail marketing, que permite uma divulgação mais direcionada àquela seção de mercado que você pretende atingir”, explica.

Existe, ainda dentro da Internet, a publicidade alternativa, por meio de sites como Youtube, Orkut e Videolog. A vantagem é o custo, praticamente zero. A camisaria Fora da Rota, há um ano no mercado, divulga suas novas coleções por meio do site de relacionamento, de blogs e ainda em eventos específicos. “Temos tido uma resposta excelente do público. O Orkut é, sem dúvida, uma grande ferramenta de divulgação”, afirma o designer Adams Rebouças, sócio-proprietário da marca.

O que acontece depois da inclusão?

Esse post estava nos planos para ser realizado há mais tempo, mas pela correria da semana atribulada, só no sábado sobrou uma folguinha para postar. Nessa semana, mais exato na quarta 24/09, saiu no caderno Cidade do Diário do Nordeste essa matéria sobre um projeto nas escolas públicas municipais de inclusão digital, qual o método? A molecada escreve blogs. Um trecho da matéria:

“Juliana tem nove anos e sempre gostou de observar o dia-a-dia da comunidade onde mora, no Bairro Cocó. A estudante da 4ª série do ensino fundamental na Escola Municipal Maria Odnilra Cruz Moreira, situada na Cidade 2000, está comemorando a possibilidade de poder finalmente mostrar às outras pessoas sua visão de mundo por meio de textos. A menina está ajudando a criar o blog “Acontece Aqui” para sua escola.

Ela, juntamente com estudantes (..) estão ajudando a criar, voluntariamente, diários eletrônicos para exercitar suas habilidades com textos, fotografias e vídeos.

A idéia da Secretaria consiste em oferecer a crianças e adultos do ensino fundamental a possibilidade de relatar o cotidiano de suas escolas e comunidades a partir do olhar do próprio estudante. O conteúdo inclui trabalhos com poesias, desenhos, notícias e fotografias, e os assuntos também são variados — teatro, cinema, música, literatura, esportes e curiosidades, entre outros.”

Vou além do que foi escrito no DN. A molecada não está apenas fazendo um diário, ou se incluindo no mundo dos blogs e da internet. É muito mais. Eles estão criando seu próprio conteúdo de informação e comunicação entre eles.  Isso é o milagre da WEB 2.0, e mais, um passo para o fim do antigo método de fazer comunicação de massa. A informação não é mais um privilégio dos grandes meios, pois cada pessoa pode criar e escolher o seu conteúdo, além disso, ampliou a capacidade de influenciar diretamente pessoas ou grupos. Cabe a nós (quase)publicitários ficarmos ligados nessas mudanças e nos prepararmos, e entendermos que a  internet não é apenas mais uma mídia (ou mídia alternativa, como entendem alguns clientes), ela é um espaço onde há relacionamento e convivência. O nosso amigo “receptor-público-alvo” só vai se interessar por algo que publicarmos se isso tiver relevância para ele.

Quase finalizando. O DN fez legal em publicar essa reportagem, colocou até um vídeo no youtube, mas cadê os links com os blogs das crianças? Você pode comentar, ponto positivo,  mas as pessoas não podem ver, isso é um filtro, ponto super-negativo. Tá faltando muito ainda para o DN entender o que é internet e blogs, também tá precisando de uma aulinha.