Forma criativa de “brigar” pela marca.

knuckle-bag_web

A Clothes in Closets é uma loja de roupas e acessórios portuguesa que prima pela qualidade de seus produtos e com isso acredita que por eles serem tão bons, vale a pena “brigar” para tê-los.

Para passar esse conceito, a Leo Burnett (quem tem como cliente a Pirelli no Brasil) de Lisboa desenvolveu uma sacola diferenciada interessante onde um Soco Inglês foi colocado na alça passando a mensagem.

knuckle-bag_web2

Mas será que esse tipo de ação não gera um incentivo a violência?

Ganhe oportunidade

eu13Como já postamos antes no blog anúncios de oportuidade feitos aqui nas áreas do Ceará, veja aqui, veja aqui de novo, tem mais aqui, é pertinente noticiar essa campanha da ANJ, Associação Nacional de Jornais, feito pela Fischer América. A idéia é divulgar o calendário de datas comemorativas em 2009 para incentivar os anúncios de oportunidade em mídia impressa. Aqui, o coelhinho da Páscoa e tiradentes se enfrentam para ganhar mais anúncios de oportunidade em abril, clica nele que amplia. Eu aposto no dentuço.

14304

Fonte: CCSP

Criatividade para ajudar o planeta.

20515_treehugger_2web

Para mostrar o seu apoio ao movimento Earth Hour (hora da planeta) que aconteceu sábado passado, a rede de comunicação australiana SBS espalhou em alguns parques de Sydney vários displays com imagens de pessoas em tamanho real abraçando árvores.

20516_treehugger_3web

Utilizando papelão 100% reciclavel a ação, desenvolvida pela agência US Sydney encoraja a participação no movimento e a demonstração de carinho pelo nosso planeta.

20517_treehugger_4web

Alana notifica Giraffas

eu12O Projeto Criança e Consumo do Instituto Alana notificou a empresa Giraffas pelos VT´s que foram veiculados , com o argumento que é publicidade abusiva, pois combina elementos do universo infantil e texto não apropriado para crianças. A notificação pediu o cancelamento da campanha feita pela DPZ no prazo de 10 dias, caso a empresa mantenha no ar a propaganda, a ONG denunciará aos orgãos competentes, dá-lhe CONAR neles.

Pois bem, tá moleza censurar a criatividade aqui no Brasil. Essa campanha tá mesmo abusiva? Veja os vídeos.

Música e Propaganda

eu11As notícias da turnê do Radiohead no Brasil me fizeram lembrar do primeiro contato que tive com a banda, que foi com a propaganda do Carlinhos, e acredito que foi também assim pra muita gente. Logo, uma boa trilha sonora somada à uma grande idéia criativa é capaz de emocionar e fazer um anúncio ficar na memória por muito tempo.

Além do anúncio do Carlinhos com a música Fake Plastic Trees, selecionei mais três propagandas difíceis de esquecer: Praia, para o CVV com Fernanda Vogel, música Glory Box do Portishead;  Fábrica, do Novo Ford Focus, música happy Together do The Turtles; e  outro feito aqui na terrinha já postando antes, “Porque a vida é banhada de emoções” para a Indaiá, feito pela Acesso, se alguém conhecer a música, coloca no comentário.

Picolé e humor = Racismo na Rússia!

eu-jv2Olha só aonde chegou a “falta de absurdo” das inúmeras ONGs, entidades ativisdas dos direitos humanos e coisas do gênero.

273200931256obama_russia-nota

A agência de publicidade russa, Voskhod, escolheu usar como mote de camapnha para divulgar o novo sorvete de chocolate com baunilha da marca Duet a caricatura do atual presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, na frente da Casa Branca com o slogan “Está na boca de todos: o preto no branco”. Tudo normal ou alguém achou isso afensivo?!

Pois é, muitos acharam ofensivo! Depois do anúncio ser veiculado chuvas e mais chuvas de entidades ativistas dos direitos humanos da Rússia começaram a protestar contra a publicidade criada pela Voskhod. O diretor de criação da agência afirmou que se referiu ao chocolate e a baunilha e brincou com a chegada de Obama na Casa Branca.

Opinião? Daqui a pouco, não se pode mais expressar o humor ou o que se pensa, pois, tudo deve ser politicamente correto. É meio como se fosse uma censura hipócrita. Na publicidade isso é ruim porque inúmeras idéias, muitas vezes realmente boas, são barradas, dentro ou fora das agências, por causa das tantas ONGs e entidades. Temos q fazer uma campanha do tipo “Mais humor para as ONGs e entidades de defesa dos direitos humanos”.

É isso!

Entrevista do mês. Aqui você fala a vontade. Não seja curto nem grosso.

ze-poto11Há algum tempo queria fazer esta entrevista e postar para os leitores do POTÓ PUBLICITÁRIO. MARCELO LAVOR, é o profissional com o qual tenho o prazer de aprender todos os dias, e ele a pessoa que tem a paciência de ensinar. Pedi informações sobre o seu perfil, mas redigiu um bem mais detalhado do que o meu. Quero dividir com vocês um pouco do que tenho vivenciado ao lado dessa incrível pessoa e profissional.

lavor Marcelo Lavor, nasceu no ano da 1a Copa do Mundo conquistada pelo Brasil, mas também no ano na maior seca que o Ceará já viu. Por isso, gosta tanto de chuva. Ex-futuro agrônomo. Formado em Comunicação Social pela UFC. Redator por formação se transformou num publicitário. Cursos de criação, marketing, redação e planejamento. Roqueiro convicto, detesta axé, forró e pagode, pimenta e a torcida do Ceará (o time, não o estado). Sabe tudo de Pink Floyd. Bicho grilo, chegou anteontem de Woodstock, pois veio a pé. Casado com uma socióloga. 3 filhos: administrador, publicitário (que não trabalha com ele) e físico-médico. Tem como grande confidente seu papagaio (nascido em cativeiro, com certidão de nascimento do Ibama). Trabalhou do menor ao maior mercado, indo das margens do Rio Parnaíba, em Teresina, até as margens do Tietê, em Sampa. Escalas em Goiânia, Brasília, Manaus e diversas temporadas em Fortal, onde toca juntamente com Bosco Carbogim e equipe, a Promosell Comunicação, sucedânea da CBC&A Associados. Muitos conhecidos, poucos e bons amigos. Não circula em eventos, muito menos em badalações, faz o estilo “low profile” pois que tem que aparecer È a marca do cliente. Como todo publicitário, também tem prêmios locais, regionais, nacionais e internacionais, embora sempre prefira receber em dinheiro.

Marcelo Lavor já faturou os seguintes prêmios: About, Colunistas, FIAP, Profissionais do Ano dentre outros.

1) Por que optou pela Propaganda dentre tantas outras profissões?

Depois de 2 anos cursando Engenharia Agronômica, cheguei a conclusão que minha praia era outra, bem distante das ciências exatas. Como sempre gostei de ler e escrever,  a comunicação nunca saiu dos meus planos. Entendi muito cedo que mais do que as flores, o que impressiona é o cartão, como diria Olivetto. Daí para a P&P foi um pulo. A P&P me atraiu de cara pois é uma profissão onde você tem que, necessariamente, usar as muitas ciências e ferramentas criadas pela inteligência e sensibilidade humanas. Você trabalha com TV, cinema, fotografia, artes plásticas, literatura, prosa e poesia, planejamento, design, sociologia, psicologia, economia, administração, estatística, música, teatro, arquitetura, programação visual, e, acima de tudo, com pessoas interessantes e bem informadas.
E mais do que tudo isso, todo dia o trabalho lhe reserva uma surpresa. Todos os dias surge um novo desafio, que È quando a gente olha para o “job” e conclui que ainda tem muito a aprender.
Nenhuma profissão do mundo exige e oferece tanto.

2) Qual a maior dificuldade que você encontrou em sua carreira?

Controlar a ansiedade de querer fazer tudo agora, de uma vez, ao mesmo tempo. E entender que quanto mais a gente aprende e faz, mais tem o que aprender e fazer. Não tenho do que me queixar pois dei muita sorte em ter trabalhado (e aprendido) com excelentes profissionais que acreditaram e tiveram paciência comigo. Hoje, procuro retribuir aqueles que me ajudaram através da paciência com os alunos, estagiários e novatos. Ou seja: aqui se aprende e aqui se ensina.

Continue lendo

Vai uma BMW aí?

Está em exposição, no Grand Central Terminal,em NY Carros BWM que foram pintados por Andy Warhol (1928 – 1987), Frank Stella, Roy Lichtenstein (1923 – 1997) e Robert Rauschenberg (1925 – 2008).

O carro da foto abaixo é de Andy Warhol, pra quem não lembra dele, aqui vai a dica : Pop Art. Lembrou? Sim sim, ele foi um dos ícones do movimento nos EUA.

Olha o que ele disse a respeito do BMW M1 : “Adoro esse carro. É muito melhor que uma obra de arte”. Suas pinceladas ousadas de vermelho, verde, amarelo e azul que se fundem umas nas outras, traduzem velocidade.

Como a gente não tem dinheiro pra dar um pulinho lá. Nos contentamos com as fotos: Clica aqui.